Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Beijo de Mulata

Beijo de Mulata

10
Fev12

[histórias da zambézia] a vida para lá da morte...

beijo de mulata

Quelimane...
Foto daqui.

Com a devida vénia à Graça Pereira, autora do blogue Zambeziana, que não me deixa sentir sozinha neste mato e nestas coisas da saudade das terras mais africanas de Moçambique, aqui vos deixo uma história fantástica, magistralmente contada por ela.

Segundo o pai da Graça, esta história passou-se em Quelimane, presumo que há mais de cinquenta anos. E se non è vero, è ben trovato:

"O estrondo ecoou pela rua toda e pelas circundantes. O homem entrou a uma velocidade louca pelo muro da quinta pensando que seria a continuação da estrada.

Quem passava a pé, à procura de algum fresco depois de um dia demasiado quente e abafado, estacou e disse:
- Nem a alma se lhe aproveita! Está morto!
- Está de certeza – afirmou outro.

Dois ou três carros pararam em fila indiana e foram espreitar. O homem todo ensanguentado estava com o rosto deitado sobre o volante, com os olhos semicerrados.
- Não há nada a fazer… - disseram.
- Pois não, mas temos de chamar a polícia – disse outro.

Numa cidade ronceira, extremamente calma onde quase nada acontecia, a polícia tardou em chegar. A autoridade tirou um cigarro do maço, acendeu-o e deitou uma baforada.
Chegou junto da janela do carro sinistrado, olhou atentamente e afirmou:
- Não há dúvida, ele morreu.
Chamou dois homens negros que passavam e pediu-lhes:
- Tirem o morto daqui, dispam-no e levem-no para a morgue que eu vou do outro lado, ao hospital, chamar o médico e pedir que abram a casa mortuária.


Os negros obedeceram. Quando chegaram à morgue a porta já estava aberta. Colocaram o morto já sem roupa em cima da eça mais fria que a própria morte. O médico chegou, pôs dois dedos nas carótidas e confirmou:
- Está morto, vou passar-lhe o óbito.

Entretanto chamou um servente negro e recomendou-lhe:
- Você fica aqui a tomar conta dele.

O servente arregalou os olhos e perguntou:
- Está morto?
- Claro – respondeu o médico.

O servente abriu mais as portas da morgue a ver se entrava algum ar fresco naquela noite maluca. Um lampião da rua com luz muito frouxa deitava um raiozinho para dentro do cubículo e assim o servente podia vigiar melhor o morto.

O calor aumentava e produzia-lhe uma terrível sonolência. Esticou-se no banco de pedra e com um olho fechado e outro aberto como o camaleão, olhava o morto. Não resistiu e acabou por adormecer. A altas horas da madrugada acordou com uns gemidos. Sentou-se rápido no banco e esfregou os olhos. Os gemidos continuavam. Aproximou-se devagarinho da eça e pôs o ouvido no peito do morto. Este abriu os olhos e perguntou:
- Aonde estou?
- Na morgue, patrão.

De um salto sentou-se e reparou que estava nu. Deitou uma perna para fora da eça mas o servente empurrou enérgico:
- Deita patrão, tu está morto. O doutor vai ralhar comigo.
- Qual morto, qual carapuça, estou vivo! - e desata a correr pela rua mal iluminada.
O servente na sua peugada, gritava:
- Por favor, patrão, volta outra vez, tu está morto.

O homem chegou à porta da sua casa e tocou a campainha. A mulher ainda não se havia deitado, preocupada com a demora do marido. Abriu lesta a porta e viu o marido todo ensanguentado, nu e uma cara negra pendurada no seu ombro que gritava:

- Patrão morreu!
A mulher caiu redonda no chão."

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub